Discussão entre barragens do Grande Canyon e Amazônia abre o primeiro dia de trabalhos na oficina da Rede de Barragens Amazônicas no Arizona

A “Oficina da Rede de Barragens Amazônicas: Explorando o Programa de Gestão Adaptativa da Barragem Hidrelétrica de Glen Canyon”, iniciou-se hoje pela manhã, na cidade de Flagstaff – Arizona (EUA) e tem o objetivo de promover o diálogo e o aprendizado em diferentes setores da sociedade, através de fronteiras geográficas e disciplinares, com foco na pesquisa integrativa e na gestão adaptativa de sistemas fluviais afetados por barragens hidrelétricas nas bacias hidrográficas da Amazônia e do Rio Colorado (EUA).

O evento, que segue até a próxima quinta-feira, conta com a participação de pesquisadores da Universidade da Flórida, Universidade do Tocantins, Universidade de Rondônia, Universidade Estadual do Mato Grosso, entre outras instituições representantes do governo brasileiro, promotores públicos,  representantes indígenas da Amazônia e também do setor elétrico dos Estados Unidos, Brasil, Bolívia e Peru.

No primeiro dia de oficina, foram discutidos pontos como a gestão adaptativa, governança e peixe e pesca, comparando o caso das barragens do Grande Canyon e as da Amazônia. A ideia do evento é promover a troca de informações e de experiências na construção de hidrelétricas, tendo como ponto focal os pontos anteriormente enumerados. Na terça-feira, dia 16/05, os participantes do evento farão uma visita guiada pela barragem do Glen Canyon e pelo rio Colorado.